sexta-feira, 22 de julho de 2016

Algumas questões fundamentais sobre o "escola sem partido"


É fundamental sabermos que: Toda ideia, proposta ou projeto que se apresente como "sem partido”, é invariavelmente uma proposta partidária. Via de regra, conservadora e reacionária, uma ideologia perigosa que tenta esconder seu caráter ideológico, autoritário e retrogrado.

Assim são as inciativas como o "escola sem partido" e todas as outras propostas que utilizam esta denominação.

Partido não é apenas legenda partidária, vai muito além disso, a rigor todos somos pessoas de partido, todos tomamos partido e defendemos ou repudiamos uma série de práticas ou ideias.

A ditadura do partido/pensamento único já produziu e ainda produz muitas vítimas no mundo todo, tudo isso em nome do ódio e da intolerância, disfarçados de "neutralidade". E é isso o que representam estas iniciativas obscuras, que vão na contramão de todo avanço pedagógico, democrático e cientifico.



Os proponentes da escola supostamente “sem partido” são partidários da intolerância e da ignorância. Tratam-se de doutrinadores do preconceito, do machismo, da homofobia e muitas outras ideias e práticas, opressoras e exploradoras.

Precisamos construir uma sociedade igualitária, democrática e plural, sem opressões. E assim devem ser também nossas escolas e sistema educacional como um todo.

* Gilson Amaro é educador popular, graduando em Direito e colaborador do Jornal Santista.